Como e por que é difícil se assumir homossexual para a família?

Como se assumir para a família?

Eu tenho recebido essa pergunta desde que me assumi para a minha. Só que eu sempre evitei responder, porque eu achava que era uma responsabilidade muito grande falar sobre como alguém deve sair do armário. Até porque cada pessoa tem uma realidade diferente, mora em um lugar diferente, tem uma família diferente e por conta disso não existe uma maneira ideal, ou melhor para sair do armário. E sim, existe uma forma que cada pessoa encontra para se assumir, dependendo do contexto em que ela se encontra, mas ao longo dos anos eu percebi que eu precisava falar sobre isso.

Eu não sei quem você é, não sei quantos anos você tem, não sei onde você mora e nem quem é a sua família. Por isso, eu não vou te dizer o que você deve fazer, porque isso seria uma irresponsabilidade da minha parte. Então eu vou fazer o seguinte, vou contar algumas coisas que teriam me ajudado se eu lesse esse texto antes de me assumir.

A primeira questão que eu acho importante tem a ver com a idade. Com base na minha experiência eu não recomendaria ninguém a sair do armário por conta própria na adolescência entre 13 a 15 anos, porque quando a gente é adolescente, somos muito frágeis em vários sentidos, a nossa argumentação, por exemplo, é frágil, então é difícil a gente conseguir se defender e conseguir transmitir aquilo que está pensando ou sentindo.

A nossa cabeça também é um pouco frágil nessa época então tudo o que falarem para você, vai doer muito mais, se alguém chegar em você e disser “é só uma fase” você começa a pensar: será que ela tá certa? E é muito provável que alguém diga isso em algum momento da sua vida, principalmente se você for muito jovem e ouvir esse tipo de coisa, ter que lidar com essas situações, dificulta um processo de autoconhecimento e de autoaceitação. Então eu acredito que deveríamos primeiro priorizar esse processo para depois manifestar isso para as outras pessoas.

Mas quero alertar que se você não consegue lidar com isso, e você precisa conversar com a sua família, não importa a idade que você tem, você deve conversar, tem que fazer sempre o que você acha que é melhor para você.

A minha segunda dica seria, leia, estude, se informe, porque é possível que as pessoas despejem em você um monte de informações do senso comum.

A terceira dica que eu dou é que você priorize sair do armário primeiro para as pessoas que você tem certeza que vão te aceitar, pode ser uma amiga, primo, irmã, se aproxime dessas pessoas porque elas podem ser o seu apoio caso você precise de ajuda.

E a quarta, e última questão que eu quero ressaltar, é para que você sinta e conheça a sua família, dependendo das pessoas envolvidas esse processo pode ser muito diferente e você vai encontrar a melhor forma de fazer isso. Se a sua família for muito preconceituosa e muito conservadora, por exemplo, talvez você só ache melhor sair do armário depois que você tiver dependência financeira ou se sua família demonstrar que é mais aberta e mais tranquila para lidar com essa questão, talvez esse processo seja mais fácil do que você imagina.

Para finalizar, quero aqui alertar que cada caso é um caso, mas tem algo que serve para todxs e eu quero terminar esse texto passando o seguinte recado: você é uma pessoa incrível, você não tá sozinhx, você pode ser feliz, pode ter um relacionamento pleno, casar, ter filhos, se você quiser ou você pode não casar e não ter filhos se você não quiser, porque quem é responsável pela sua vida, é você e mais ninguém.

Eu não posso garantir que a sua família vai te aceitar um dia, às vezes demora meses, anos ou pode não acontecer, eu conheço pais que só aceitaram filhos depois de anos, isso realmente acontece, as coisas podem melhorar. E se você tiver passando por um momento difícil, pense que no futuro pode ser diferente. Porém, eu também conheço pessoas que se afastaram da família por conta disso, mas você não deve se culpar se sentir necessidade de se afastar de situações e de pessoas que te fazem mal.

E mais do que qualquer coisa, você não deve se esforçar para ser uma pessoa que você não é, é um peso muito grande e uma violência terrível fazer isso e não vale a pena sacrificar sua felicidade por nada e nem por ninguém nesse mundo.

Eu espero que esse texto tenha te ajudado de alguma forma, e eu quero dizer que se você está passando por um momento difícil, eu entendo, eu também já passei por isso, mas as coisas vão melhorar.

Sobre a autora:

Thainara Paulino, 20 anos

Estudante de jornalismo, formação técnica em fotografia e estagiária em comunicação e marketing.


3 comentários

  • Mirian Amaral Oliveira Dias

    Gostaria eu de parabenizar a autora desta produção textual e dizer que fiquei admirada por tamanha coragem e determinação!
    Penso que todos os nosso cidadãos jovens deveriam ler isso pois, sendo homossexuais ou não, saberiam se colocar na pele dos que se sentem mal por não poder mostrar ao mundo quem são de verdade. Tenho 18 anos, não sou homossexual, já pensei muito sobre esse assunto no qual muitas pessoas só conseguem enxergar como uma doença e com isso me tornei apoio de muitos colegas, amigos e familiares. Penso que se talvez o mundo ou as pessoas fossem menos injustas, muitos de nós nos permitiríamos até nos conhecermos de verdade mas, como essa coisa de padrão da sociedade nos força a sermos discretos acabamos nos calando.
    E por fim digo a autora do texto que com certeza o futuro dela será muito mais que brilhante.

  • Gabriel

    Que texto sensacional!!! Parabéns por falar de um assunto tão delicado e utilizar palavras acolhedoras ❤️

  • Thainá Gimenez

    Ameeeei ♥️

Deixe um comentário

Os comentários precisam ser aprovados antes de serem publicados